55-11- 9 8475-4434 / 2306-6643

Rua Padre Estevão Pernet, 160 - conj .504 - Tatuapé - São Paulo - SP - cep.03315-000

©2018 by Caminhos do Aprender - Psicopedagogia & Neuroaprendizagem. Proudly created with Wix.com

TDAH (Transtorno Déficit de Atenção e Hiperatividade)

Causas

 Já existem inúmeros estudos em todo o mundo - inclusive no Brasil - demonstrando que a prevalência do TDAH é semelhante em diferentes regiões, o que indica que o transtorno não é secundário a fatores culturais (as práticas de determinada sociedade, etc.), o modo como os pais educam os filhos ou resultado de conflitos psicológicos.

Estudos científicos mostram que portadores de TDAH têm alterações na região frontal e as suas conexões com o resto do cérebro. A região frontal orbital é uma das mais desenvolvidas no ser humano em comparação com outras espécies animais e é responsável pela inibição do comportamento (isto é, controlar ou inibir comportamentos inadequados), pela capacidade de prestar atenção, memória, autocontrole, organização e planejamento.

O que parece estar alterado nesta região cerebral é o funcionamento de um sistema de substâncias químicas chamadas neurotransmissores (principalmente dopamina e noradrenalina), que passam informação entre as células nervosas (neurônios).


Sintomas

Existem três categorias diferentes de sintomas: desatenção, hiperatividade e impulsividade.

Os sintomas de desatenção são observados quando:

  • Dificuldade de prestar atenção a detalhes e tendência a errar por desleixo na escola ou em outras atividades, produzindo trabalhos que geralmente são desorganizados ou desleixados.

  • Distrair-se facilmente com estímulos irrelevantes e interrompe suas tarefas com freqüência para prestar atenção a coisas ou eventos sem importância, que são geralmente ignorados pelos outros.

  • Incapacidade de manter a atenção nas tarefas ou atividades.

  • Raramente terminar deveres, serviços ou tarefas de desempenho que exijam concentração.

  • Passar freqüentemente de uma atividade para outra, sem ter terminado a primeira.

  • Protelações, ou seja, costumar deixar o que tem a fazer para depois.

  • Desorganização na rotina de trabalho.

  • Esquecimento de atividades diárias (por ex: faltar a compromissos, esquecer o lanche, etc.)

  • Não conseguir terminar tarefas, como deveres de casa ou trabalhos escolares.

  • Mudar de assunto frequentemente, não conseguir ouvir, não conseguir acompanhar conversas, e não seguir os detalhes ou as regras de atividades sociais.


Os sintomas da Hiperatividade podem se tornar aparentes em crianças ainda na fase pré-escolar e quase sempre se manifestam antes da idade de 7 anos. Os sintomas incluem:

  • inquietação, ou agitação ao permanecer sentado;

  • levantar-se com freqüência e andar ou correr pelos cantos;

  • correr ou pular excessivamente fora de hora (em adolescentes este sintoma pode aparecer como agitação);

  • dificuldade de agir serenamente ou participar de atividades de lazer mais tranqüilas;

  • estar sempre em movimento;

  • falar excessivamente e com freqüência.


Os sintomas da Impulsividade compreendem:

  • impaciência

  • dificuldade para dar respostas longas

  • disparar respostas impensadas antes que a pergunta seja finalizada

  • dificuldades para aguardar sua vez

  • interromper ou se intrometer frequentemente em assuntos alheios, a ponto de causarem problemas em ambientes sociais e profissionais

  • iniciar conversas em horas impróprias.


A impulsividade pode acarretar acidentes ou agressões físicas. As crianças com TDAH podem também se envolver em atividades potencialmente perigosas, sem medir suas conseqüências.

Muitos desses sintomas ocorrem, de tempos em tempos, em jovens normais. No entanto, no casos de crianças ou adolescentes com TDAH eles ocorrem com bastante freqüência – em casa e na escola ou quando vão visitar os amigos. Eles também interferem no cotidiano da criança, em suas atividades diárias.

O TDAH é diagnosticado após as crianças apresentarem, de forma consistente, seis ou mais dos sintomas de desatenção e/ou da hiperatividade/impulsividade, em pelo menos dois ambientes, como em casa e na escola, pelo período mínimo de 6 meses.


Tratamento do TDAH


         O tratamento vai depender de um diagnóstico preciso da criança. Deve-se levar em conta todos os problemas específicos e os recursos que podem contribuir para sua melhora. O TDAH deverá ser tratado por uma equipe multidisciplinar, onde não podem faltar um neuropsiquiatra e um psicólogo cognitivo-comportamental, e em casos que apresentar dificuldades relacionadas à aprendizagem, um psicopedagogo.

Não é fácil conviver e lidar com crianças que sofrem de TDAH. Pais e professores podem adotar procedimentos genéricos para controlar o comportamento problemático da criança, mas eles precisarão de aconselhamento e apoio de um especialista.

Para saber mais, deixe seu email, enviaremos um ebook-gratuito com mais informações.

 
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now